quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Imperativos da Felicidade

Abriu a primeira gaveta da cômoda ao lado da cama de seu quarto. Encontrava-se já fechada havia algum tempo, não muito. Ali, o título do livro lhe anuncia a salvação possível. Não era a bíblia, o talmude ou o alcorão, tampouco um livro do darma budista. Estes andam por demais ultrapassados na era tecnicista, embora os usos ultrapassem os tempos, são as contradições da história. Recebera no último natal, época em que o leu vorazmente, ou como se diz no popular, “devorou-o”. Apesar disso, o livro agora lhe parece inteiramente estranho, carregando consigo um conteúdo desconhecido. Sabemos como acabam empoeirados os títulos outrora cobiçados, mas este em especial trouxera ares de esperança quando Francisco pedira no amigo-oculto do trabalho. José, seu primo, aconselhara a leitura após ter superado um período delicado com sua ajuda, ou auto-ajuda e, claro, a do psicoterapeuta. Na verdade, este último foi quem indicou a leitura. Porém, pareceu-lhe não fazer mais o mesmo sentido. Afinal, essas coisas não costumam retornar, a cada dia o seu mal e assim vamos seguindo, mesmo quando não gostamos de aceitar. De certo que a vida seja marcada pelo que deixamos de ser no tempo, não o contrário. 

Talvez fosse mais recomendável procurar por outro especialista. Francisco já se encontrava cético quanto ao poder de sua alimentação balanceada, já desconfia do prometido bem-estar cujos efeitos revigorantes ainda não viu. Os exercícios matutinos sem dúvida são bons, mas seu corpo demanda por mais, porém nada que uma série mais alongada possa dar conta. Então, um psiquiatra, quem sabe? Talvez possua algum distúrbio como o de Laura, sua ex-mulher. Ou então uma síndrome pouco explorada pelas ciências humanas, como a de seu já falecido tio Jarbas. Quem sabe ainda um transtorno como o da vizinha Manuela. Até mesmo poderia ser o “de cujus” da TDAH de seu filho, o infeliz herdeiro. Mal sabe Francisco quantas mais não são as multiplicações das páginas dos compêndios psiquiátricos e psicológicos. Que ele não leia a respeito das estimativas. “Mais fácil para um bom diagnóstico?”, perguntou ao vento, “mais difícil alcançar a normalidade”, ponderou surpreso com o lugar ao qual o pensamento o levara.

“Há de existir uma trilha sem nome, sem fim”. Francisco decidiu que era hora de dar um tempo da ordem desordenada de sua vida. Era hora de se deixar levar, errar sem destino. Tatear sem pistas, sem objetivo, sem projeto. Andar sobre as vagas, flutuar. “O caminho da felicidade é o que nos impossibilita de alcançá-la, ou melhor, de criá-la”, conjecturou. Entre prantos e sorrisos, Francisco fechou a gaveta da cômoda.

Bruno Costa

34 comentários:

Roberto de Freitas disse...

Nada como a normalidade vivida e não apenas pensada como algo natural pra nos aprisionar no círculo vicioso da interminável busca (consumo) por messias dos mais diversos tipos.

Byers disse...

Ah sei la cara eu achei que o texto ficou confuso e não chegou a lugar algum...rs

O objetivo era qual? Questionar se nossos caminhos, todos, já foram explorados? Falar sobre a loucura? Apenas hipoteses?

Não sei...to pensando.

abçs

João Paulo disse...

Ainda to refletindo sobre o que o texto tem a passar!

Massai disse...

poxa, rotina bem contada hein mano! curti! mas meio confusa [nada que uma meditada não resolva! kkk]
mas li outros abaixo aqui e gostei!
vou vir aqui mais vezes!

passa lá no meu blog dpois mano!
http://marotissimojuiz.blogspot.com/

abraço!

Leandro Danúbio disse...

me lembrou Clarice Lispector, a escrita fantástica, uma coisa simples vira uma tempestade... rsrs

Gostei bantante do blog...


Dá uma passadinha no G7 Notícias: http://g7ceara.blogspot.com

Raquel S. Ramos disse...

“Mais fácil para um bom diagnóstico?”, perguntou ao vento, “mais difícil alcançar a normalidade”, ponderou surpreso com o lugar ao qual o pensamento o levara.

Acho que todo mundo vai passar, já passou ou está passando por uma fase assim confusa como a do Francisco.

Gostei muito do texto

Maria Luiza disse...

Não prescisas seres claro prescisas apenas dizer.

Nicelle Almeida disse...

O caminho da felicidade está na forma que vemos a vida e em como aproveitamos as oportunidades que ela nos presenteia. Ver em cada novo dia uma chance de recomeçar, é uma boa sacada ;)
www.nicellealmeida.blogpsot.com

Seyal Layes disse...

Muito bom o texto... ser feliz... a busca constante do ser humano.
Todos alcançam... é cmo diz a musica "quem acredita sempre alcança"

Vizite
http://paginazabertas.blogspot.com/

Macaco Pipi disse...

um dia não seremos mais...jamais.

Pedro Tavares disse...

E assim criam-se as memórias...

Preguiça alheia disse...

www.preguicaalheia.blogspot.com

Parabéns pelo blog.. entra no meu e se gostar pode seguir!!

ps.: estou te seguindo!

Abraço,
P.A.
_______________________________
www.preguicaalheia.blogspot.com

jonathassk disse...

paravens pelo blogo texto e bom mais nao li todo

Tati disse...

Toda ordem vem acompanhada com uma desordem. A felicidade está ali... quase imperceptível. A gente acha que ela é espetáculo e às vezes a deixa escorregar entre os dedos ou numa fala descuidada.

Yon disse...

Belo Conto!

Vitor disse...

Gostei principalmente na parte que ele fala dos vários disturbios de pessoas próximas. É algo comum hoje em dia não? Todos tão estressados, tão cansados da rotina que acabam assim. Infelicidade, vazio, precisamos de algo novo às vezes. Ótimo texto!

http://entrepalavrasenotas.blogspot.com - Li, comentei e segui, retribui?

Nah disse...

Ué, mas e a matemática? Está ultrapassada?
Crônica é um gênero que, constantemente se faz atual a qualquer época (claro que depende do assunto abordado).
Shakespeare ainda é lido e apreciado.
Os mistérios das pirâmides do Egito ainda encantam e intrigam.
O amor sempre existiu (já que Deus é amor).
Antigos ditados ainda são usados hoje.
Nem tudo o que é antigo está ultrapassado!

;)

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

A vida não é nada sem os impecilios... sem eles a vida nãotem OBJETIVIDADE...

Rart og Grotesk disse...

fases confusas todos nós passamos, esse texto nos faz refletir um pouco. As vezes precisamos dar um tempo na vida desordenada e se deixar levar, de repente, a vida nos leva a algo melhor e tudo se resolve, é só uma questão de tempo.
se quiser, acesse meu blog http://artegrotesca.blogspot.com

João Paulo disse...

LOL muito bom o texto!Rotina bem contada!


Me visita??http://www.gatobebadowebs.blogspot.com

LADY D. A. disse...

Acho q muita gente se sente ás vezes assim como ele.

Mister Neurotic disse...

Nunca gostei desses livros de auto-ajuda. Na verdade nunca li nenhum, não me interessam. O moço do conto fez certinho em fechar a gaveta.

Urbano disse...

Putz, apesar de ser taxativamente contra livros de auto ajuda (que me pareceu ser no caso do Francisco) eu fiquei torcendo pro sujeito encontrar alguma coisa ou no livro ou alguma lembranca relacionada a brincadeira de amigo oculto que fosse catapultá-lo a al gum outro tipo de descoberta. Não é uma crítica, eu que viajei, rsrsrs. Aliás, eu li duas vezes procurando ganchos, até sacar a sua estrutura de escrita. Abs!!

Patrícia Lemmon disse...

Olha,
pelo que eu entendi, em alguns paragragos ele se se recupera de alguma coisa, psicologica, da qual estava se tratando... e no final segue sua vida... Tudo muito rápido, na realidade não é assim.

Você escreve muito bem, o ultimo paragrado faz refletir.

Beijo

Francisco Saldanha disse...

Bem para início gostei do nome do blog soa assim como um meio caminho...um quase lugar. Então notei que além de um bom título o blog tbm tem conteúdo(coisa rara neste meio). seu texto lembra muito divagações filosóficas atuais. Bom para pensar.


www.letraslitteratura.blogspot.com

Barbara Nonato disse...

Esse tal caminho para a felicidade é trilhado a cada dia e, algumas vezes, precisamos até mesmo voltar um pouco para reencontrá-lo.

Nicelle Almeida disse...

Sobre o post, já dei a minha opinião. Vim somente te desejar um bom rstante de dia... =)
Me visita ;)
www.nicellealmeida.blogspot.com

Andre Mansim disse...

muito bom seu texto e seu blog!

gostei muito dessa frase:

Francisco decidiu que era hora de dar um tempo da ordem desordenada de sua vida. Era hora de se deixar levar, errar sem destino. Tatear sem pistas, sem objetivo, sem projeto.


Parabens!

Passa lá no meu blog pra visitar.
http://amansim.blogspot.com/

Marcos Santana disse...

Cara tu escreve muito bem !!

Abraços,
Marcos
http://marcosilustra.blogspot.com

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Victor Pagani disse...

Muito bem escrito, Bruno. Meus parabéns!

[]'s

Andre Mansim disse...

Ah, já falei que o texto é bom, mas relendo-o agora tenho que lhe falar só mais uma coisinha:
A Biblia nunca vai estar ultrapassada!

Monique Burigo Marin disse...

Cada louco com sua loucura, não é mesmo?
No fim das contas, o mundo todo precisa de terapeutas, inclusive os próprios.

Maryanne Simplício disse...

Um bom texto para refletir!