domingo, 6 de novembro de 2011

UMA LOUCURA AVULSA


Lá vai ele novamente com seus pés calçados, ainda que levemente enlameados por conta das chuvas dos últimos dias. Fechou o portão sem me perguntar se era meu intento acompanhá-lo. Já não sei se me ignora de fato ou se a indiferença já o lançou a outras modas. O que em mim arde e me sufoca é seu silencio incisivo. Logo ele que sempre falou tão alto; logo nós que sempre fizemos tanto barulho juntos. 
Naqueles tempos havia prantos, sofrimentos, melancolias. Porém, hoje a mediocridade lhe sobra e seus sorrisos não passam de cumprimentos e convenções. Quase lhe bato nos ombros, mas não posso mais tocá-lo. Quero levitar a cama e deixá-lo cair do alto, mas não tenho mais forças. Sigo sozinho, com ele a frente, bato o pé, o único que me resta, pois o direito já me desapareceu há umas tantas semanas. A dor de não ser real é a que me visita; não tenho sangue, nem nunca tive. Não sou um zumbi, não me confunda. Tinha apenas com ele, mas não ardia.
Ele segue a rua anoitecida, deserta  já disse que chove? Pouco. Seu cabelo bem ornamentado ganha um tom orvalhado das gotas que não escorrem e teimam em não se diluírem por entre os fios negros. Sua roupa simetricamente sóbria e seu cheiro de banho recente quase o tornam outro. Sua sacola preta nunca mais carregou os sonhos chamados impossíveis que eu lhe dava para juntos subverte-los.  Guardava-os tão cuidadosamente. Vivia-os tão irresponsavelmente. Ele e eu, pela selva, pelos ares. Juntos de tantos outros. Às vezes outros demais. Os agentes, os teletransportados, os alienígenas, as escaladas à Torre Eiffel, os cochilos nas pirâmides do Egito. Deitara ao lixo, tempos desses, uns quantos pedaços de outro planeta que descobrimos numa viagem. Agora, na sacola preta de plástico, seguem apenas alguns filmes de bombas e explosões, dessas imagens fantásticas que nos fazem ver passivamente, sentados ao sofá, e que devolverá a locadora.
Ponho-me do outro lado da rua, mas seu caminhar é reto e estreito, de modo que seu olhar não lança luz sobre minhas piruetas. Passo em sua frente e sequer uma trombada se faz possível. Colocar-me-ia a voltar até sua casa e pôr fogo em tudo. Queimaria sua identidade. Mudaria os números dela. Abriria a tampa do vaso sanitário e poria abaixo toda aquela sanidade encapsulada e comprimida. Esfregá-los-ia até ao pó cano adentro com a descarga. Nada disso posso. Sou como um anjo da guarda que circunda e rodeia um homem, embora proteção não seja meu ofício. Posso estar apenas onde ele está. Existir, quando muito, apenas em ele me permitir. Pensando bem, parece que sou mesmo um zumbi, embora pareça não lhe fazer qualquer zumbido. Sou uma senhorinha buscando ganhar a vida com o corpo em plena Hollywood. Não o seduzo mais.
Não me vê. Não me sente o cheiro. Não exalo fragrância, mas há um cheiro. Agora se refere a mim como “delírio”, mas não suporto meu novo nome. “Não o tenho mais”, diz a quem se preocupa. Preferia “Raul”, pois assim me apresentei e assim me aceitou de pronto. Fiz de tudo um tanto e já passou do ponto de uma birra de imaginação mimada. Malabarismos com seus eletrodomésticos, levitação em frente à TV, meu preferido, diga-se de passagem. Mostrei o rosto em fumaça de café e fiz castelos animados de batatas-palha. Coube até em bolso de camisa para não ser abandonado.
Perdi forças sem estar velho. Quem me visse, caso fosse possível alguém ver a imaginação de outrem, olha que desconfio que fui motivo de risos para algumas crianças e até adultos, orgulho-me disso, claro fique, embora pareça invasão de privacidade, ou seria invasão de insanidade alheia, ainda que no fundo, no fundo, sejamos de quem olhar primeiro, ou até por último ora, o importante é sobreviver, enfim, não me dariam mais que 30 anos. Desculpem, ando demasiado fugidio neste parágrafo. Tenho a mesma idade desde sempre. Idade nenhuma. Sou corpo sem pele.
Até suicídio simulei, com ares de um suspense assustador de Hitchcock em alguns, noutras com as cores vermelhas da brutalidade visceral de Tarantino. Algumas vezes morri. Viu-me raras vezes em tudo. Nada além de sombras, quando muito retumbâncias. Era feliz e não sabia; vivia ainda. A última vez de que tive notícias de seu olhar foi ao atravessar uma densa avenida. Seus olhos brilharam, arrepiou-se a pele do coitado, não mais que cinco míseros e incontáveis segundos. Esboçou imediatamente um movimento com seu braço direito, o mais próximo a mim. Seus joelhos levemente se inclinaram como quem anuncia um desejo de correr, de sair rapidamente de um ponto a outro. Queria me salvar. Zangou-se naquele dia. Após conseguir travar seu próprio corpo da loucura de arriscar-se pelo seu “delírio – reitero que odeio o novo nome – franziu a testa, cerrou os olhos e seguiu a vida dando de ombros. Talvez pareça um exagero de minha parte, fazendo de um pouco muito. Imaginação? Não me peça para ser racional, já me basta aquele do qual falo.   
Está bem. Todos devem aceitar seu fim. Quem sabe seja melhor me extinguir num mundo onde não há espaços para uma imaginação ganhar a cena. Mortos por pílulas. Verdadeiro genocídio difundido por doutores. O maior crime do colarinho branco dos tempos. Restam-me os sonhos. Não me agrada lá, onde somos todos iguais e podemos quase tudo. Prefiro aqui. Em me pôr a caminhar por territórios rudes e quebrar-lhe os chãos feitos de concreto, nos lugares que não me são os de costume, os de longe de minha terra. Sou um nômade, oras.
Deito ao lado de sua cama em fins de noite e grito que não irei desistir. Minha voz inexiste. Bato palmas. Melhor seria ele desistir de me ausentar ou investir ainda mais pesado em seus remédios para que, assim, logo eu suma e nem mesmo em lembranças retorne. Ele quase dorme. No quarto escuro, vendo seu rosto sombreado, desencanta no canto de sua boca um sorriso. Só posso concluir que deseja me ensandecer. Estou fatigado, devo admitir.
Percebo que minha narrativa tomou o tom duma conversa. Isso, com você leitor. Falo eu, imaginas tu. Já começas a me dar vida. Tornastes-me real. Muito prazer! Como chamas?

49 comentários:

Van Pontos da Beleza disse...

Adorei seus textos...saode autoria sua? parabens

Marcus Alencar disse...

Gostei do seu conto e até onde pude entender parece que não se trata exatamente de uma pessoa e sim a narração do sentimento falando por si mesmo como se sente em relação a pessoa que o ``carrega`` (pra não repetir a palavrar sente e assim evitar um trocadilho desnecessário).

Bom, em outras esse desabafo da loucura avulsa parece-me até algo metalinguístico. Legal.

abraços

Aline Diedrich disse...

Mais um texto de qualidade... Gosto dos seus contos!

Nação Esmaltada disse...

Vc mesmo que escreve? se for, está de parabéns, adorei!

tá rolando sorteio no blog, participa http://nacaoesmaltada.blogspot.com/2011/11/1-sorteio-do-blog-100-fatias-de-fimos.html#comments

Brian Gale disse...

Meu nome é Brian, senhor anjo cujo proteger não é seu ofício...
O menino que fecha o portão e sai a caminhar na chuva, onde está?
Tens pouca permissão para existir e mesmo entre as frestas da imaginação, não se concluí nada.
Me parece um caso perdido.
Um simples monólogo...

www.mentepervertidagm.blogspot.com

JOY disse...

Bom o texto!
Olhei o restante do blog superficialmente, mas gostei das ideias!
Beijos

http:// joycebc.blogspot.com

DarKblog disse...

Verdade, também curto seus contos, ótimas histórias daqui *-*

Mari disse...

Muito bom o conto, adorei o "sentimento" (imaginação?) personificado. Você escreve espetacularmente bem!

Bruno Coriolano disse...

muito bom seu blog.
http://portaldalinguainglesa.blogspot.com/

Lucas Nuti disse...

Apoio os escritores e suas loucuras (avulsas?). Dela provém a criatividade.
Abraço!





http://alteregodonuti.blogspot.com/

Bruno Coriolano disse...

http://portaldalinguainglesa.blogspot.com/


JA HAVIA COMENTADO NESSE BLOG. MUITO LEGAL. LEIO SEMPRE.

Blog UaiMeu! disse...

Seus textos são mto bons! Continue aprimorando q ficara cada dia mais legal!

abraços

@ilovetubes disse...

seus textos são mto legais.
estou indo seguir para ficar atualizada das novas post's!
beeijo beeijo ;*

retribui: http://ilovetubes.blogspot.com/2011/11/diariodanick-8.html

Lucas Adonai disse...

Muito legal ;D

Pamela Dal'Alva disse...

HUm... não conhecia aqui não, interessante esse conto/historia, mostrando o sentimentalismo.. hm..
hihi

parabens!!
kisu

Lucas Adonai disse...

Muito legal :D

Alan Holanda disse...

muito bom seu texto parabésn
provasetrapacas.blogspot.com

Mia Sodré disse...

Um delírio de um esquizofrênico, seria isso? De qualquer forma, o jeito com que você narrou, o desfecho, ficaram ótimos. Devo dizer que lembre-me do estilo de Oscar Wilde ao ler seu breve conto (ou seria um monólogo?).
Estou seguindo aqui. Bjo.

http://miasodre.blogspot.com/

Doze e Doze disse...

Um clima de melancolia no ar, um clima sombrio... adorei seu texto!

http://dozeedoze.blogspot.com/

Angelus disse...

Achei muito interessante a narração do ponto de vista de personagem imaginado por outra pessoa. No começo achei que fosse o amigo imaginário de uma criança, mas depois vi que era um delírio esquizofrênico. Gostei do desfecho. Finalmente "Delírio" encontrou algo em que existir.

Brian Harold Gale disse...

Já comentei esta postagem mas acabei relendo, a reação não foi diferente, ainda tento encontrar o menino que saiu na chuva em algum lugar dentro de mim mesmo.
Mais uma vez, minha imaginação ficou estimulada por este texto...

blog@dos humoristic disse...

Gostei muito :)
To seguindo ! Seu blog parece interessante. Depois volto com mais calma :D
http://blogadosaki.blogspot.com

Lucas Adonai disse...

POXA... ACHEI MUITO LEGAL!

Renan Leal disse...

ELABORAÇÃO PERFEITA!

Samira Machado disse...

Muito legais os textos, parabéns!
São todos de sua autoria?

http://thebookofmydreams.blogspot.com/

faah Oliveira disse...

Gostei do BG do blog

visita? http://www.afrodittes.net/

Mosaicos de uma vida disse...

Como os textos são extensos, não terei tempo de ler os outros posts... percebi que esse texto sim, deu vida... vida um livro quem sabe?!
Prazer todo meu! Fafá

It'sM disse...

Texto muito bom, parabens!

Francorebel disse...

É atravessando que chegamos do outro lado
Mesmo com os pés cheios de lama.

Alan Holanda disse...

bom texto
provasetrapacas.blogspot.com

Leo Lago disse...

Bela narrativa... co linguagem bem peculiar!!
Parabens!!
Abraço do POETA BASTARDO
http://poeta-bastardo.blogspot.com/

O Despertar de um sonho disse...

Ótima narração. Me fez imaginar esse personagem atuando em seu imenso delírio.

http://odespertardumsonho.blogspot.com/

Café de Fita disse...

Bem intenso esse texto né?

***
Escrevo pro: http://cafedefita.blogspot.com/
(Patrícia Araújo - Colaboradora)

Predador disse...

Confesso que me dá vontade de conseguir escrever algo do tipo.

Alan Holanda disse...

belo texto, quem dera hehe
Provasetrapacas.blogspot.com

Priscilla Fernandes disse...

Bruno, vc é mto bom, sinceramente. Escreve com emoção, riqueza de detalhes, sentimento...
Sucesso, viu?!
Bjus
Pri
www.mmdesaltoalto.blogspot.com

Games para celular disse...

Legalll
Game para celular

Bafonique disse...

INTERESSANTE!
:)

Adriano Ferreira, CM disse...

seu texto me lembrou um pouco o estilo do italiano italo calvino no clássico "se um viajante numa noite de inverno". como vc mesmo disse, depois de ler tudo isso isso, "restam-me os sonhos".

abraço!

Monica Limeira disse...

Nooossa interessantíssimo seu blog parabéns...os textos são de uma qualidade incrível!!! Grande abraço!!! Agradeço sua visita tbm!!!
http://alternativassonoras.blogspot.com

Chris Salles disse...

Você escreve muito bem, parabéns! bj

Zilda Mara Peixoto disse...

Olá,Bruno.Essa é minha primeira visita ao blog.Vi seu link em outro blog e resolvi vir conhecê-lo.Adorei seu blog e já estou lhe seguindo.Seu blog é muito bem organizado e suas postagens muito bem elaboradas.Você escreve maravilhosamente bem!
Te convido a conhecer meu blog e segui-lo também.Aguardo sua visitinha!
Bjs!
Zilda Mara
http://www.cacholaliteraria.blogspot.com

Sinceros Sentimentos disse...

Ja estou seguindo, retribui? http://luhkarooline.blogspot.com/

MARCO disse...

texto bem grande! lí pouca coisa e achei bom

http://rocknrollpost.blogspot.com/

JEANN DFL disse...

Teu texto começa nos envolvendo aos poucos, nos prendendo e nos amarrando sem que percebamos! Apesar de longo devoramos come se fosse um curta rima infantil,pois somos deslocado do tempo, e nossa percepção deixa de habitar o mundo a fora para viver entres essas linhas!!!

Parabéns!!

Mylla disse...

Onde que eu vou pra comprar um livro teu? Sério! Hahaha. Tu escreve muito bem. Parabéns.

:*

http://hey-london.blogspot.com

BlogMaster disse...

Muito bom!

http://futeblog-blogmaster.blogspot.com/

Alex Konrado disse...

Muito bom texto, está de parabéns! Nossas vidas se perdem em meio a sentimentos enlouquecedores e desejos incontroláveis, nessa luta contra a gente mesmo, quem se joga desfruta até o permitido e quem se reprime acaba por se proibir de ser quem verdadeiramente é.

Desde já te seguirei, se puder visitar e seguir o meu tb, lhe agradeço!

http://www.akonrado.blogspot.com.br/ (Faz Parte de Mim)

Marília disse...

Adorei é um texto que prende mesmo, parabéns pelo seu estilo de escrita.
É muito bem feita.