terça-feira, 28 de junho de 2011

O carpinteiro e a canga verde-limão

“Amanha será um bom dia para ir à praia”, foi o que pensei ontem. Não estava de todo equivocado. A manhã é ensolarada, porém sem demasia. Se for verdade que existe uma medida certa para as coisas, o calor encontrara seu apogeu. A temperatura não é elevada e venta fresco, dando a ilusão de um refrigerador tamanho celestial perpassando toda a região beira-mar e, devo dizer, refrescando até mesmo a areia dourada, reluzente como um sol que nasce debaixo, de maneira tal que me martirizo por haver esquecido os óculos escuros. Praia vazia, apenas alguns gatos pingados, se é que isso da em praia. Soaria mais verídico dizer “cães pingados”, mas estes não pingam, estão mais para algo derramado.  Não estamos no verão, é bom lembrar, tampouco é final de semana. Terça-feira é dia de labuta para quem não pode escolher as folgas. Nem todos ganham bem a vida como artesãos. Isso se ainda os há, caso não seja eu o último.
A manhã segue normal e, enquanto saboreio uma água de coco, sequer transpiro. Tão atípico que, ao dar por mim, vejo uma esvoaçante canga verde-limão de uma sereia que, ao que se nota, trocou por definitivo as esporádicas subidas à superfície marítima e as investidas aos indefesos marinheiros, pelos desfiles nas extensas areias de Ipanema e a sedução aos mortais cariocas que a possam ver. Boa sorte a minha. Terminada a tarefa de estender a canga, sedutoramente, diga-se de passagem, levanta-se agora para ajeitar o biquíni tomara-que-caia, a parte dos seios cobertos por um lilás fechado, com alguns pequenos detalhes estampados aos quais não pude identificar sequer a cor, quanto mais o que era, tamanho meu introspectivo desatino. A parte inferior era lisa, também fechada, desfilando em tom cinza, talvez grafite, mas isso é o que menos importa na paisagem, embora contraste maravilhosamente com sua pele branca, daquelas que não azedam.
Assisto a tudo sentado, no tempo em que minha retina desistiu de enviar ao cérebro os estímulos luminosos, que por isso da areia já não me incomodam. Seu tom alvo forma algo como uma raiz que sustenta aquelas pernas, que em sua textura jovem e lisa, rivaliza com a areia velha e pisada. Pernas, cintura fina, seios escondidos como um tesouro a seduzir o pirata. Quem me dera ter um tapa-olho. Seu colo desnudo, graças a seus loiros cabelos em semi-coque, deixando sua nuca, a qual não vejo, mas posso imaginar, inteiramente livre. Alguns fios rebelam-se, teimam em levitar ao ritmo do vento. Nada que incomode uma deusa. Seus brincos de argolas grandes a deixam ainda mais cinematográfica. Começo a suar.
Olha-me! Qual despeito o meu?! Em verdade, olha apenas em minha direção enquanto, agachada, apanha em sua bolsa o protetor solar. Olha seguidamente, interrompendo-se brevemente em alguns instantes. Está de óculos escuros. Fosse eu um tipo praiano juraria que é para mim. Ela ergue com suas delicadas mãos o protetor, num gesto em que simboliza o oferecimento de seu corpo ao herdeiro, como um rei Artur que irá arrancar a espada pela força que o torna “o escolhido” em meio a muitos. Segue com sua mão em minha direção a ostentar o recipiente. Será um convite? Estou desfalecendo... Retomo rapidamente a água de coco e espreito sem barricadas. Ainda que de óculos escuros, estou certo de que é meu o seu desejo. Meu coração deve dar-se a ver de lá, de tanto que insiste em bater estrondosamente. Bastar-me-iam a insensatez e alguns ligeiros passos e estaria eu a puxar conversa com um “bom dia”, “qual a sua graça?” ou um ousado “necessita ajuda?”. Estaria a sua frente, a vê-la se deitar, sua pele sedosa abrigando minhas mãos espalmadas a talhar meu desejo em suas costas atrevidas. Como faço arte com madeira, de certo que ela não esqueceria minhas talentosas mãos. Ombros, braços, pernas, “com sua autorização”, riríamos os dois. Contar-lhe-ia meu ofício; ela se lembraria de um avô carpinteiro que jamais existiu. Seria o primeiro de muitos encontros.
Ainda nem perguntei seu nome e dou por mim que na distância em que nos encontramos, ficaria eu a falar com os pombos. Deixo então de sonhar e levanto decidido a me aproximar quando por mim passa um rapaz alto, devidamente bronzeado, numa corrida atlética a qual me faltaria o ar. Ele chega, ela sorri. Eles brincam e se beijam rapidamente, com aquele beijo de confiança que somente entre namorados se procede. O privilégio é dele; rei Artur. E eu aqui, sem encontrar assento na távola redonda.   Fosse antes uma sereia e me consolaria o fim daquele marinheiro. Poderia ser eu o próximo, morreria feliz.
Invejo cada detalhe desta cena. É incrível como uma mulher possa não saber a desavença que um protetor traz para a vida de um homem. Ela não olhara para mim. A consciência é uma perdição dolorosa. Quem foi que disse o contrário? De certo alguém que não a viu daqui, de onde a vejo. De onde a vejo parece uma atriz pela beleza de seu rosto, cada parte compõe sem medo uma perfeita sintonia com as demais. Corpo de dançarina, desenhado, mas sem ares de academia. Cheia de assuntos, os quais eu não acompanharia; de praias pelo mundo afora, de festas, viagens. Se pudesse lhe contar a poesia das madeiras maciças, dos cálculos, das geometrias, da vida que dou aos troncos. Se visse meus telhados, portas, assoalhos, móveis. Aceitar-me-ia como o homem da casa que seria nossa. Todavia, agora penso que estive no ofício errado. Deveria estar a fazer pranchas. Estaria ao pé de seu ouvido, a sentir seu perfume vencer a maresia, ensinando-lhe os truques das ondas, “é possível andar sobre as águas, meu bem”.
Indo embora, passa por mim envolta em sua canga verde-limão, já sem os óculos e, como danou a fazer boa parte da manhã, olha-me. Agora sei, eram mesmo para mim aqueles olhos castanhos que acabo de conhecer e que ofuscam até mesmo o azul brilhante do mar, que ofuscam até mesmo o azul dourado do céu. Ela sorri de canto de boca ao passo que me fulmina, enquanto o rei Artur parece se ocupar de um aparelho celular. Um pouco mais tarde, ainda anestesiado, mergulho na esperança de curar a ressaca de minha alma embebida de saudade. Ao retornar, encontro a canga verde-limão estendida. Procuro-a por toda parte. Não a encontro. Talhei-a eu, numa paixão inventada de artesão?


37 comentários:

AssiZ de Andrade disse...

Nossa, que texto viu.
Exige fôlego, mas vale a pena.
Gostei.

Abraços!

http://redutonegativo.blogspot.com
http://cafeeagua.blogspot.com
www.twitter.com/rejane_marques

Sr. Celofane disse...

ou a sereia levou o rei arthur para uma morte tranquila com seu celular, divertido, não acho que necessita de um folego só, como pedem na comunidade de blogueiros fracassados, porém, divertidos, nós, acho...comentado, prazer em conhece-lo

Tainná disse...

"Agora sei, eram mesmo para mim aqueles olhos castanhos"

Escreve mt bem rapaz.

:*

Bianca Lopes disse...

Nossa, escreve muito bem! Adorei o seu conto, queria ser esse seu talento ;D

Achei seu blog através de uma comunidade no orkut de divulgação, visita o meu também: http://tudoehpop.blog.com/
Fala de moda, celebridades e música Pop!
Contém 5 editoriais:
• Rapidinhas da Semana (com resumo das principais notícias da semana sobre as celebridades musicais e suas novidades);
• Para se Inspirar (com dicas de inspiração do estilo de algum artista, personagem ou tapete vermelho de premiação);
• Review do CD, do Clipe ou da Música (com análise do que eu entendo por clipes e músicas de conteúdo pop);
• Peça-chave (com explicação de alguma nova tendência de peça de roupa, acessório ou sapato e dicas de como usá-lo em diversas ocasiões);
• Lista (com os melhores clipes em top 10 ou top 5 de acordo com alguma temática).

Varijogos - Mundo Game disse...

Mt bom o blog

www.varijogos.blogspot.com

Millena Blogueira disse...

O texto está muito bem escrito.Primeira vez no seu blog e gostei.

Lucas Montenegro disse...

Texto ótimo cara, parabéns! É muito bom quando encontro algo dessa qualidade nas minhas aventuras pela blogosfera! Me identifiquei com várias partes, e seu modo de escrever é ótimo, daqueles que as vezes me faz falar "Nossa, realmente não tinha como dizer isso melhor do que do jeito como ele fez"

Tô seguindo, e colocando o um link no meu blog! Não se sinta obrigado pela educação a fazer o mesmo, estou fazendo por que gostei de verdade =)

Abraços!

Rafael Araujo disse...

Bela Postagem
Retribuindo a visita
http://baixarelando.blogspot.com
Parabéns pelo Blog! Sucesso!!!

Alessandra Santos disse...

Salve, salve, Bruno!

Que prazer encontrar um conto tão bem escrito e de tão boa qualidade pela blogosfera, aliás, textos assim são bem comuns aqui pelo Atravessamentos.

Achei de uma ternura e riqueza literária imensas. Um texto lindo, gostoso de se ler e que nos tira da realidade a nosso redor. Gostei muito.

Na minha leitura, é como se este artesão tivesse construído toda a cena, inclusive a garota. O contraste que vemos entre os dois rapazes, apesar de poucas descrições acerca deles, é muito sutil, mas ao mesmo tempo, grita ao leitor mais atento. Achei lindo ver o artesão ali, olhando a menina, admirando de longe e é como se não houvesse mais nada ao redor. Toda a imensidão de beleza da praia, o mar e o céu infinito não tem mais importância. Era ela. Somente ela. Brilhante!

Um beijo, rapaz. Até o futuro!

Lucas D.F. disse...

bacana de verdade

Joyce Abbade disse...

A maneira como escreve deve ser elogiada! É com singela delicadeza que você aborda diferentes aspectos da vida e o fluir do texto nos faz imaginar toda história com suas infinitas descrições. Deixo, portanto, por alguns instantes a atenção à realidade a minha volta... só o texto me prende! O uso dos vocabulários, as expressões, as descrições, a sua imaginação, a criatividade tudo colabora para a elaboração de um conto com essa qualidade! O que nos traz muita alegria na leitura e o desejo de querer voltar. Parabéns mais uma vez por desenvolver a cada dia essa dedicação pela escrita que a nós faz tão bem, assim como espero à você!! Um beijo, meu bem!

Vitor Mod disse...

parabéns pela postagem e pelo blog vou acompanha - lo
ja estou seguindo , de uma conferida no meu blog se puder siga tbm abraço!

Nubia Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nubia Santos disse...

VocÊ escreve muito bem ! Adorei o seu blog , já estou seguindo :)
bjs
http://eupossofazeradiferenca.blogspot.com/

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

As vzs era uma puta.

Luiza Jardim disse...

A paixão é sempre inventada por nós, artistas da vida...

http://ocotidianodecadadia.blogspot.com/

Até!

Cláudia Benevides disse...

adorei os textos e o layout do blog, mto gostoso e tranquilizante passar por aqui...
bjos

Pamela Dal'Alva. disse...

nossa quanta propaganda..
enfim..
primiera vez aqui em.. muito legal XD

continue assim. haha
mora em sp?

Lucas D.F. disse...

siguindo vc...
http://meninos-cor-de-rosa.blogspot.com/

Guilherme D. Dutra disse...

Excelente texto. E parabens pelo blog. Muito bom.

Lorenna Guerra disse...

Gostei do seu blog.
Estou seguindo!

http://www.garotasdizem.com/
Bj

Aline Diedrich disse...

Seria uma ilusão? Belo conto!

Gláu.. disse...

Adorei o texto *-*
visitem o meu tbm ..
http://lovesongone.blogspot.com/

JAILSON BATISTA disse...

gostei muito do seu blog, é interessante! por isso acabo de seguir...

www.simplesmentejaja.blogspot.com

www.jaylsonbatysta.blogspot.com

gostaria que me seguisse se possivel comentar tb... abraço!

Jefferson Reis disse...

Que dia lindo. E que coisa linda e louca. Será que essa sereia existe mesmo? Não sei, cá comigo acho que tem um dedo de invenção por trás disso. Ou talvez não, Talvez o artesão seja um homem atraente que não conheça seu próprio poder. Enquanto ele descrevia a mulher, o que eu notava era um homem misterioso na areia da praia. Foi por que me interessei.

neh.etc disse...

estranho mas muito bom adorei o final ñ esperava rs

RODRIGO HENRIQUE disse...

to te seguindo, segue de volta e comenta
http://brfilmesnanet.blogspot.com/

Paulo Cesar PC disse...

Parabéns pelo conteúdo do texto, pela maneira como escreve, descreve e define. É oque chamamos de um texto bem escrito. Um grande abraço.

Paulo Cesar PC disse...

Parabéns pelo conteúdo do texto, pela maneira como escreve, descreve e define. É oque chamamos de um texto bem escrito. Um grande abraço.

Aneurysm disse...

Bem bacana Man

Garcez disse...

esse trecho é iteressante

"Agora sei, eram mesmo para mim aqueles olhos castanhos que acabo de conhecer e que ofuscam até mesmo o azul brilhante do mar, que ofuscam até mesmo o azul dourado do céu."

vc tem uma maneira de descrever o personagem q me faz lembrar de Aluísio Azevedo em "Uma Lágrima de Mulher".

bom texto...


www.ouvindoparalamas.blogspot.com
.
.

André Narciso disse...

Gostei do texto!

Angelus disse...

Primeira vez que venho ao blog e gostei muito do visual.
Agora, sobre o texto, também achei muito interessante. O artesão descreveu a mulher desejada como se estivesse mesmo talhado todas as suas curvas, planejando cada detalhe em sua mente. Idealizou uma mulher perfeita.
Parabéns.

Sandro Batista disse...

Que texto maravilhoso... Você é realmente um artesão, talha com destreza palavras, e sua narrativa é tão forte e verdadeira, que pude me sentir no cenário onde tudo se passa. É como se fosse real... Parabéns!

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Kakal Ragazzi disse...

Passei para conhecer o seu espaço tbm. Muito bom, PARABÉNS!*

André Narciso disse...

Haja fôlego,más realmente um ótimo texto.

João Batista de Lacerda disse...

Boa imaginação, bom texto.