quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Um Brinde aos Homens de Bem

Aos homens de boa vontade, de bom caráter e de boa índole... um brinde!
Aos que nascem, crescem, reproduzem e morrem. Aos de imagem e semelhança divinas. Aos que carregam o estandarte da verdade, da moral, da justiça. Filhos da revolução, do liberalismo, da modernidade. Da liberdade, fraternidade e igualdade. Júris da individualidade e do tribunal do juízo coletivo.
Saúdo também a família doriana: papai, mamãe e filhinhos, dos sorrisos, natais e aniversários. Os que afastam seus filhos das drogas e das más companhias, das favelas, dos sujos, dos estranhos. Difusores dos bons costumes, das normas, da ordem e do progresso; zelosos por um futuro melhor para sua descendência, e que fazem anátemas as cabeças vazias, resguardando sua prole nas escolas, nas aulas de inglês, informática, dança, natação, judô, violão. Sempre buscando as boas novas das mais altas pedagogias porque não querem seus filhos perdedores. Afinal, não há mais tempo nem lugar para uma criança vadiar...
Convido, é claro, os estudantes, públicos ou privados, que matam leões para conseguirem sua fatia. Aos que conseguem facilmente também. Aos que fazem pós e após novamente. Atualizados, preparados. Aos que não perdem tempo em lágrimas, mas trabalham. Aos que entendem a competição sádica sadia, feroz veloz, ambição inocente e o sistema neutro. Aos que vestem a camisa, disputam vaga, sonham com a mesa maior. Aos vencedores de cada dia.
Venham também os consumidores de bom tom, donos das rédeas do desejo. Aos que labutam no cotidiano, sem blasfêmias, e que valorizam as malhas finas, a qualidade, a quantidade, o conforto, o gozo do lazer na presença dos iguais, belos e vistosos, da vauguarda social. Aos que tem, aos que não tem, mas querem ter. Aos que terão. E aos faltantes constrangidos também. Aos protegidos, dos condomínios fechados e vigiados, seguros e completos. Mundos privados. Corram com seus carros blindados, escuros e filmados. De onde não são vistos e se fazem temer.
Não poderia esquecer os homens das boas obras. Que lotam as igrejas nos domingos e durante a semana também. Aos que fogem à roda dos escarnecedores e lançam as esperanças na Terra Prometida; filhos da inocência, dizimistas fiéis. Sejam conosco, servos da indiferença. O cálice que ergo e ofereço não traz vinho, apesar de carmesim.
Venham todos, dos fóruns, delegacias, laboratórios, hospitais, empresas, centrais, igrejas, universais, consultórios, bancos, praças. Venham de Brasília, pois lhes esperam os juízes, advogados, policiais, cientistas, médicos, publicitários, empresários, jornalistas, padres, bispos, pastores, donas de casa, analistas, pesquisadores, eleitos. Nesse encontro da pureza, onde Pilatos nos espera... Deixem seus ternos e gravatas, uniformes, vestidos e jalecos. A história merece este momento.
Finalmente, um brinde ao sangue, com sangue. Não o de Cristo! Mas o meu, o seu, o nosso. Homens de bem... à vida nossa, de morte lenta, coração agridoce.
Aos homens de bem... um brinde!

Bruno Costa

14 comentários:

André disse...

Muito obrigado pela homenagem! heheh

Joyce disse...

Salut!!
Ouço o estalar do brinde constante!!! Brinde ao sangue que nos é vertido a cada dia por fatos. Fatos julgados como injustos, como absurdos... mas que eu perguntaria... quem valida essa compreensão de mundo? Que autoridade é essa que invalida a possibilidade de brinde aos que estão ao pé da mesa? Status e fundamentos arraigados, cristalizados, interiorizados como conceitos intactos que nos remetem ao calmo e explosivo exercício neurótico de distinguir aqueles capazes de transmitir segurança daqueles que confortam simplesmente pela sua ausência.

Parabéns pelo texto!!!
Beijos, Joyce!

C? disse...

Excelente texto!
Muito lindo
Parabéns

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

MESTRE DOS MAGOS disse...

homens de bem, isso existe ?...rsrs ... só se for na imaginação de nossa sociedade, que é feita de acumulo de "pequenas transgressões"...rs.. quem já não quebrou as regras para atravessar a rua fora do sinal, para pegar algo achou na rua que não era seu, furou fila com a desculpa que encontrou um amigo na fila ou fingiu que não estava vendo um idoso quando estava sentado no ônibus...rs... numa sociedade que vale tudo para ser o primeiro ou para ter chances para uma boa oportunidade, ser "um homem de bem" virou um sonho parecido acender a lareira e esperar o papai noel no natal...rs

C? disse...

Obrigado pro comentar na TEORIA DO PLAYMOBIL. Volte sempre que quiser

WWW.TEORIA-DO-PLAYMOBIL.BLOGSPOT.COM

Silvio Koerich disse...

Gostei muito do texto. Sou um defensor dos homens de bem no meu blog e da família tradicional e esse mestre dos magos falou besteira aí, eskerdinha.

Tô te seguindo no teu blog man, passa no meu e vê se curte, perdedor mais foda do mundo

abraço!

Blogueira disse...

Um brinde aos poucos ou raros homens de bem que estão em extinção.

http://saudeecompanhia.blogspot.com/

The Blower's Daughter disse...

Nossa, depois desse texto maravilhoso, a única coisa q eu posso e tenho a dizer é: Aos homens d bem... um brinde!
xDDD

Parabéns pelo texto!

Lilian C. disse...

Acho q com o passar dos tempos, nao existirá mais brindes. Por isso q realmente td o q vc citou merece um brinde, pois se existe isso ainda, é motivo de gloria. Beijos e sucesso

Will disse...

sensacional texto julgo que sou um homem de bem e acho que somos poucos
portanto um brinde a nos

www.ruivosuburbano.blogspot.com

Kelly Christi disse...

Na verdade é muito dificil um ser humano ser totalmente alguém de bem o tempo todo, pois a sociedade o corrompe, como dizia Rosseau, mas não devemos deixar de acreditar, um brinde a ~´os sim e pq nao, não é?rs

bjs

http://www.pequenosdeleites.blogspot.com

FabioZen disse...

Cara,que sorte!Estava procurando outro blog e dei com esse teu.Porra velho que textualidade acida exatamente como eu gosto e também produzo.Li esse ultimo e toda a fina ironia,ironia que incomodou muitas pessoas do circulo do poder aqui na minha cidade.Confere BANQUETE COM MENDIGOS
http://oficinamissoes.blogspot.com/

artculando disse...

O q seria um homem de bem?
Um homem q se encaixa em uma dessas descricoes sem ter cometido erros anteriores? Ou quem jah quebrou muito a cabeca e depois se acertou?

Dificil definir, nao??

Dah uma passada no meu blog!

http://artculando.wordpress.com

=)

Bruno Costa disse...

A resposta é: não seria...